Home colunas Perecini São Paulo acerta no planejamento para o início de estadual
São Paulo acerta no planejamento para o início de estadual
0

São Paulo acerta no planejamento para o início de estadual

0
0

Por: Gabriel Perecini (@perecenispfc01)

A Copa do Mundo de 2018 foi a desculpa encontrada por federações e confederações (sempre com anuência dos clubes) para piorar ainda mais o péssimo calendário do futebol brasileiro. Com os inchados e chatíssimos estaduais intactos, o prejuízo caiu sobre a pré-temporada, que teve menos de 15 dias. Com todas essas circunstâncias, o São Paulo teve um grande acerto em começar a competição com um time totalmente alternativo.

A pré-temporada é um período fundamental de preparação dos times para o restante do ano. Com o calendário ainda mais enxuto e um período entre o fim de março e começo de abril que deve abrigar decisões e jogos complicadíssimos de estadual, Copa do Brasil e Sul-Americana, é vital que o preparo seja bem feito desde os primeiros dias de 2018, em especial no único período minimamente possível de condicionamento físico. Como o calendário não permitiu isso, o São Paulo improvisa da melhor maneira, inclusive com outros ganhos.

O Campeonato Paulista, há tempos, vale muito, muito pouco. O que de melhor pode se tirar do torneio regional é a estruturação do time, evoluindo jogo a jogo em busca da formação e entrosamento ideais, e dar rodagem aos garotos mais jovens. Na estreia, teremos a segunda parte.

Do time provável, de cinco a seis jogadores são formados nas categorias de base, sendo três ou quatro (dependendo da escolha de Dorival) fazendo ou sua estreia no profissional, ou sua estreia como titular (Bissoli jogou alguns minutos da última partida de 2017). Junior Tavares, um dos garotos que atuou em diversos duelos ano passado, deve “estrear” uma nova função: meia aberto pela ponta, podendo ser um atacante de lado de campo.

Enquanto isso, os jogadores que devem assumir a titularidade daqui algumas rodadas continuam a preparação física, técnica e tática visando partidas mais importantes. Quando isso acontecer, o estadual será usado para ir acertando a equipe até chegar às primeiras grandes decisões da temporada. Planejamento elogiável.

Apenas para se ter uma ideia da maratona: segundo o calendário da CBF, o Campeonato Brasileiro terá início no fim de semana dos dias 14 e 15 de abril. Até lá, começando hoje, serão treze meios de semanas diretos com jogos pelo Brasil. O São Paulo, se chegar à quarta fase da Copa do Brasil e à semifinal do estadual (mesmo cenário do ano passado, algo pouco complicado), terá jogo em doze desses treze (seis pelo estadual, cinco pela Copa do Brasil e um pela Sul-Americana). Além, claro, de todos os fins de semanas (exceto o do carnaval, em que o duelo contra o Bragantino foi antecipado do dia 10 para o dia 7/2 a pedido da TV Globo).

Com a primeira fase do regional com doze jogos, em que apenas os clássicos têm importância, dois times se classificando por grupo e uma vantagem mínima para a melhor campanha (apenas jogará o segundo jogo em casa), não há motivos para desgastar as principais peças e comprometer uma preparação já prejudicada pelo calendário. A seca de títulos faz parte da torcida ficar carente e desejando até o atual Campeonato Paulista, mas uma eventual conquista estadual pouco mudaria o patamar e a sede de taças do clube. A conversa que “o Paulista deu confiança em 2005” é uma grande falácia, além de tremenda injustiça com a última grande geração que tivemos.

São Paulo acerta no planejamento e, se fizer uma boa preparação, tende a colher frutos durante a temporada, tanto fisicamente, quanto pelos garotos que ganharão cancha e ajudarão no decorrer do ano. Garantia de sucesso nunca há, mas o caminho inicial escolhido é o melhor possível.

 

 

*Imagem: Reprodução/São Paulo FC

Perecini São-paulino desde 1930, antes de nascer. Uma vida inteira dedicada a amar, incondicionalmente, o Clube da Fé. Nas prioridades da vida, primeiramente vem o Clube e, depois, o resto. Devoto Dele: Rogério Ceni. "Dentre os grandes, és o primeiro". Ídolos: Rogério Ceni, Raí e Telê.