Home colunas Banco de Reservas Valorize quem honra a camisa
Valorize quem honra a camisa

Valorize quem honra a camisa

0
0

Por: Larissa Raysel (@LariRaysel)

 

Você pode não concordar com atitudes e falas do Rodrigo Caio. Pode achar que ele ainda é um moleque. Entre isso e dizer que ele é um zagueiro ruim, há um abismo. O camisa 3 vem sendo uma das peças mais importantes do elenco há duas temporadas, pelo menos. De lá pra cá, a evolução dele como jogador é evidente.

Infelizmente, após o caso do fair play, o atleta se tornou perseguido por alguns torcedores. Veja bem, não concordei com aquela atitude dele, mas isso não fez com que eu passasse a odiar o jogador. Ele não é o tipo de pessoa que chega na entrevista xingando todo mundo, o que pode soar para alguns como conformado. O famoso “agora é levantar a cabeça e trabalhar” virou piada nas redes sociais. Isso não significa, porém, que ele seja ruim.

Dentro de campo, sempre se mostrou um zagueiro excelente, de muita vontade. Corre, busca o jogo, dá opção, incentiva os companheiros… Rodrigo tem mentalidade vencedora. Rogério Ceni, em seu último ano como jogador, chegou a compartilhar a faixa de capitão com ele. Era uma das prioridades do M1TO como técnico manter o jogador no São Paulo.

Nos últimos dias, circulou nas redes sociais uma imagem da escalação do time naquele fatídico Corinthians 6 a 1 São Paulo. Daqueles titulares, restam apenas 3 no elenco atual: Denis, Bruno, Wesley e Rodrigo Caio. Muitos torcedores pediam a saída de todos. Ele estava presente, sim, naquele desastre, mas reduzir todo o trabalho e carreira dele àquilo é simplista demais, além de desonesto, já que em outros tantos jogos se mostrou capaz e excelente.

Por jogar no time que é, provavelmente, a maior vitrine brasileira de atletas e ser constantemente convocado para a Seleção Brasileira, Rodrigo Caio é sempre um dos jogadores mais visados do elenco. Desde 2015, as sondagens são constantes. Recentemente, o Zenit sinalizou que pagaria a multa do contrato para liberar o atleta. Ele nem chegou a ser relacionado para o jogo contra o Santos. Como não houve evolução, o zagueiro desceu a serra às pressas e se apresentou para o jogo.

Se o Zenit voltar a fazer contato com o São Paulo e o atleta quiser sair, não há o que o Clube possa fazer. Seria uma perda gigantesca para o time. Espero, de verdade, que ele permaneça aqui. O São Paulo só tem a ganhar.

 

*Imagem: Rubens Chiri/saopaulofc.net

 

 

Larissa Nunca tive escolha, fui doutrinada para ser são-paulina. Era ninada com o hino do time e logo aos dois anos, se ouvisse fogos de artifício, começava a comemorar o gol do São Paulo. Tenho absurda admiração por aquele que é o maior jogador e ídolo de todos os tempos: Rogério Ceni.