Home colunas Banco de Reservas Problemas extracampo têm atrapalhado os resultados
Problemas extracampo têm atrapalhado os resultados

Problemas extracampo têm atrapalhado os resultados

275
0

Por: Larissa Raysel (@LariRaysel)

Desde o dia 26 de agosto, o São Paulo está invicto. Três boas vitórias e um empate sem gols fora de casa. Antes, porém, o time acumulava três derrotas. Entre elas, um amargo 0 x 3 para o Goiás. O clima era de crise. A ótima vitória sobre o Ceará na Copa do Brasil e a visível melhora na qualidade do futebol – com destaque para o Ganso, que, ao que parece, finalmente acordou -, animaram o torcedor. Mas a situação fora do campo é a que mais me preocupa.

Como pode a situação mudar de uma hora para a outra? A instabilidade do time (em uma hora, crise; em outra, estamos super bem) vem de problemas de caráter extracampo. Eles começam bem acima dos jogadores. Não é preciso analisar tão profundamente.

Temos um presidente que se diz “induzido ao erro”. Aidar considera que nossa dívida é menor . Isso é explicado pelo fato de que uma coisa é a dívida e outra são obrigações bancárias, e, por isso, nossa dívida teria caído em cerca de R$100 milhões. Isso foi há quatro dias. Hoje, as reportagens do Globoesporte.com e UOL Esporte mostraram que, na verdade, a dívida do São Paulo continua sendo bem maior.

Em entrevista ao UOL, o sócio da UHY Moreira Auditores, Carlos Aragaki, considera que o presidente do clube se utilizou da semântica. “Uma dívida bancária ou um empréstimo é uma obrigação bancária. Nós, contadores, dizemos que o passivo é todo um conjunto de obrigações”, explica.

A minha dúvida é qual é o objetivo de Aidar ao querer minimizar a dívida. Ele foi novamente induzido ao erro? A impressão que tenho é que ele apenas recebe informações de outras pessoas, e não acompanha de perto a situação financeira do clube.

Até certo ponto, podemos isolar o time do que acontece fora do campo, mas com a atual gestão, com tantos desencontros de informações e alguns torcedores achando que a imprensa está querendo implantar uma crise no clube, fica difícil não afetar.

O jogo de amanhã, contra o Santos, na Vila Belmiro, deve ser complicado, mas independentemente do resultado, é preciso lembrar que o técnico Osorio tem feito verdadeiro milagre. Ele está tentando trazer o time para si, criar um escudo nos jogadores para que esses problemas “de fora” não atrapalhem o resultado dentro de campo, mas chega um momento que isto não é mais possível.

É esperar para ver. Torcer para que El Profe siga fazendo um ótimo trabalho e tentar confiar na diretoria, que prevê que, em 2017 a nossa dívida já esteja zerada. Mas está cada dia mais difícil de acreditar nesta realidade.

Larissa Nunca tive escolha, fui doutrinada para ser são-paulina. Era ninada com o hino do time e logo aos dois anos, se ouvisse fogos de artifício, começava a comemorar o gol do São Paulo. Tenho absurda admiração por aquele que é o maior jogador e ídolo de todos os tempos: Rogério Ceni.